Confira as dicas do portal PEBMED sobre como iniciar com o pé direito a sua carreira na área média:

É preciso ter atenção ao que vai de encontro com seus interesses pessoais e profissionais. Muitas vezes uma oferta mais valiosa não significa ganhar mais dinheiro, mas sim ascensão profissional ou qualidade de vida. Plantar as sementes dos frutos que você deseja colher é a melhor maneira para conseguir realizar-se profissionalmente. Nesse ponto, o médico deve atentar para possíveis erros que pode cometer no início da sua carreira:

1. REDE DE RELACIONAMENTO

Médicos jovens tendem a seguir a rede já conhecida de opções de trabalho. Isto muitas vezes gera uma escolha pouco sábia, e, principalmente, pelo que é mais familiar, ou seguro. Geralmente isto conduz a um arrependimento pela insatisfação ou frustração de não estar fazendo algo que ele realmente se enquadra. O mais importante é saber que tipo de trabalho você quer fazer e com quem você quer trabalhar.

2. TEMPO DE BUSCA POR TRABALHO

Começar a procurar o melhor local para trabalhar com 12 a 18 meses de antecedência do fim da especialização, aumenta as chances de conseguir encontrar a vaga ideal ao terminar residência. Assim, provavelmente você não ficará frustrado por não estar trabalhando com a sua nova especialidade.

3. OPORTUNIDADES NO INTERIOR

Colocar-se a disposição de uma vaga ou entrar como especialista no interior pode aumentar as chances de sucesso e satisfação pessoal. Grandes áreas metropolitanas tendem a acumular médicos que já dominam o cenário, sendo assim uma concorrência muito mais difícil se você já não está trabalhando com alguém mais experiente. No interior, muitas vezes não tão distante de um grande centro, pode-se encontrar um excelente oceano azul para iniciar a sua especialidade.

4. PRÓS E CONTRAS DE UM HOSPITAL

A maior parte dos médicos jovens preferem iniciar suas carreiras trabalhando em grandes redes de hospitais. Essa preferência baseia-se não só no contexto de segurança para médico, mas também na possibilidade conhecer equipes de outros médicos com quem possa trabalhar. Porém, essa sensação de segurança muitas vezes vem à custa de altas cobranças, responsabilidades institucionais, competitividade entre funcionários e necessidade constante de provar-se como profissional, exatamente como em um ambiente executivo. Este ambiente muitas vezes não é familiar aos estudantes de medicina e residentes.

5. ACEITAR A PRIMEIRA OFERTA

Essa é uma das principais causas de insatisfação do médico jovem com o seu primeiro emprego. Aceitar uma oferta de trabalho sem conhecer previamente os prós e contras do local pode desencadear decepção. O ideal é conversar com outras pessoas que já trabalham no local, buscar informações e recomendações.

6. NEGOCIAR O CONTRATO

Médicos não costumam aprender sobre negociação de contratos na faculdade e na especialização. Além disso, a ansiedade por fechar uma proposta de emprego pode fazer com que o médico não busque os benefícios desejados e as melhores possibilidades de ascensão profissional no novo emprego. Reveja os principais pontos do contrato, direitos e deveres da área de atuação. Levar o documento a um advogado pode evitar dor de cabeça.

Concluindo:

Quem está recém-formado pode ter muitas dúvidas por onde começar. Conciliar os horários da residência com os plantões, aprimorar o relacionamento com os pacientes, ter autoconfiança durante os atendimentos e aproveitar as oportunidades são alguns dos desafios enfrentados pelos novos médicos. Portanto, aproveite para estudar além do foco em Medicina e amplie seu entendimento como funciona o mercado de trabalho na sua área.

Fontes:

https://pebmed.com.br/os-6-erros-do-medico-jovem-na-hora-de-buscar-um-emprego/