Se você atua na área da saúde ou é entusiasta do tema já deve ter escutado sobre Saúde 4.0! Nos últimas anos este termo esta cada vez mais presente em noticiários e estudos do segmento, e vem sendo atribuído a muitas inovações tecnológicas e novas aplicações e negócios no mercado de saúde.

HISTÓRICO SAÚDE 1.0, 2.0 E 3.0

Em um olhar retrospectivo entre 1970 e 1990 ocorreu o desenvolvimento dos primeiros sistemas de TI para o setor de saúde, período que iniciou a Saúde 1.0.

Ao passar dos anos, nos anos 2000, os sistemas e tecnologias para a saúde foram evoluindo e começaram a utilizar estruturas em rede e os dados passaram a ser cada vez mais integrados, possibilitando mais ferramentas disponíveis para análise clínica, dando aos médicos melhores condições de avaliação, mais informações a pacientes através da difusão de canais digitais com a revolução da internet, dando origem a saúde 2.0.

Em 2003 ocorreu o marco de resultados do Projeto Genoma Humano que apresentou pela primeira vez o sequenciamento do código genético humano dando abertura para uma nova era de pesquisas, diagnósticos e impulsionando novos tratamento. Em meados de 2008 a tecnologia de Computação em Nuvem começou a ser oferecida comercialmente o que impulsionou um revolução em vários setores habilitando novas aplicações para TI como o Big Data e a integração massiva dados em rede, surgindo então a Saúde 3.0.

A Saúde 4.0 ocorre como uma evolução natural de todas essas tecnologias como internet das Coisas (IoT), Big Data, Computação em Nuvem, Analytics e Inteligência Artificial e a forma como isso vem mudando completamente o gerenciamento, processos e tratamentos em saúde, afetando até mesmo os modelos de negócios, impulsionando o surgimento de startups e inovações em toda cadeia de serviços e práticas profissionais de saúde. Esta era tem alguns direcionadores como a colaboração, compartilhamento, predição e personalização.

O que a OMS define como Saúde 4.0

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define o modelo como:

“Saúde 4.0 é o campo do conhecimento associado com o desenvolvimento e uso de novas tecnologias para melhorar a saúde. A Saúde 4.0 expande o conceito de e-Saúde para incluir consumidores digitais, abrangendo smart-devices e equipamentos conectados à internet. O conceito também abrange outros usos da tecnologia na saúde, como a Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA), Big Data e Robótica.”

Para a OMS a saúde 4.0 busca atender aos seguintes objetivos:

  1. Auxiliar na elaboração de políticas públicas de saúde a nível regional e nacional, por meio do uso sustentável, seguro e ético da tecnologia.
  2. Facilitar o trabalho dos profissionais da saúde para garantir o melhor cuidado dos pacientes.
  3. Melhorar a saúde e bem-estar da população em geral, por meio da acessibilidade e equidade.

O que está ocorrendo hoje e pode direcionar as novas tendências?

Conclusão

Com o avançar das tecnologias novos paradigmas surgem, sejam nos modelos de negócios, nos tratamentos ou nas profissões. A certeza que a saúde 4.0 trás é que cada vez mais será necessária uma visão multidisciplinar para áreas como a da saúde, incorporando ciência de dados, engenharia, empreendedorismo e medicina para lidar com os novos desafios do presente e do futuro.

“Hoje para tomarmos uma decisão (…), estamos sentando na mesma mesa: um médico, um estatístico, um profissional de tecnologia e um cientista de dados, tudo isso para que se possa tomar a melhor decisão (…)” – Dr. Roberto Cury

Fontes:

https://pt.linkedin.com/pulse/bluetalks-healthcare-40-tecnologia-na-jornada-de-da-libardi-vieira

https://pt.linkedin.com/pulse/healthcare-40-o-que-%C3%A9-e-quais-tend%C3%AAncias-bruna-souza